sábado, 25 de junho de 2011

A SENCE e o PNAES - Programa Nacional de Assistência Estudantil

PNAES - PROGRAMA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

Desde a extinção da rubrica específica (FHC, 1997) lutamos por uma verba específica para a Assistência Estudantil. A conquista do PNAES no final de 2007[1] foi um avanço, mas era preciso torná-lo permanente. Isso porque a verba foi liberada em três etapas: 2008, 2009 e 2010, mas nada garantia a sua renovação. Assim, em 2009, no XIII ENNECE (UFRN), definimos a luta para tornar o PNAES definitivo como o melhor caminho para o retorno de uma verba específica.

Ao final de 2010 o PNAES se tornou um decreto[2], o que nos garantiu mais segurança, visto que antes era apenas uma portaria (poderia ser revogada a qualquer momento), mas ainda não o tornou definitivo. Infelizmente não sabemos a situação do PNAES em se tratando de ter ser tornado lei ou não. Mas atualmente deixou de ser uma proposta do poder executivo (o que fazia a existência do PNAES a vontade do partido eleito) e passou a ser proposta de governo federal (independe do partido eleito pra presidência)[3].

Contudo, é um plano destinado apenas à IFES (universidades federais). Portanto, defendemos expansão do PNAES para toda e qualquer instituição de ensino que tenha estudantes necessitando de Assistência Estudantil para permanecer estudando.

Somando-se à luta mais ampla do PNAES – torná-lo permanente e estendido a todas as universidades públicas - também temos a pauta local, de cada universidade, que sintetizamos em duas:

(1) Buscar prestação de contas do PNAES: saber onde e como a verba foi gasta desde que a portaria foi lançada e divulgar ao máximo para que a luta por assistência estudantil não se restrinja às/aos residentes.

(2) Gestão democrática – Autonomia no uso da verba: as/os residentes e demais estudantes participantes dos programas de assistência estudantil, caso desejem, devem participar das discussões referentes à distribuição e aplicação das verbas da assistência estudantil.

Basicamente o PNAES garante verbas para ser aplicada na assistência estudantil. Apesar de indicar os eixos prioritários, fica a cargo da universidade distribuir e aplicar a verba. Normalmente é no começo do ano que as universidades planejam os gastos financeiros e é muito difícil mudar isso depois de aprovado o “plano anual de gestão”, pois provavelmente ouviremos como resposta “falta verba” ou “a verba já foi direcionada”, então o melhor é exigir no começo do ano reuniões que discutam a aplicação dos recursos[4]. Lembrando que:

  • As reuniões devem ser deliberativas: garantido que as discussões reflitam em ações práticas e não apenas em promessas;
  • Sempre marcar um calendário de reuniões com a reitoria: para abrir um canal fixo de diálogo, para que a lentidão não desmobilize as discussões e para poder divulgar ao máximo a luta pela assistência estudantil.

Eixos prioritários do PNAES:

As ações de assistência estudantil do PNAES deverão ser desenvolvidas nas seguintes áreas: I - moradia estudantil; II - alimentação; III - transporte; IV - atenção à saúde; V - inclusão digital; VI - cultura; VII - esporte; VIII - creche; IX - apoio pedagógico; e X - acesso, participação e aprendizagem de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades e superdotação.

Nacionalmente falando, no último ENCE (Encontro Nacional de Casas d@ Estudante) ocorrido em Cuiabá – MT (2010), uma das propostas principais aprovadas foi a de que cada universidade criasse uma comissão permanente para discutir a destinação das verbas do PNAES. Isto porque muitas vezes a reitoria utiliza essas verbas para fins que não são prioritários ou nem são assistência estudantil. Há relatos de universidades que utilizaram a verba do PNAES para promover festivais enquanto a Casa d@ Estudante da referida universidade encontra-se em situação precária. Pelo documento final do encontro, estabelece-se também, que esta comissão deve ser paritária e composta por professor@s, reitoria e representantes discentes em vulnerabilidade socioeconômica, ou seja, nós baixa-rendas[5].



[1] VASCONCELOS, Natalia Batista. Programa Nacional de Assistência Estudantil: uma análise da evolução da assistência estudantil ao longo da história da educação superior no brasil. Disponível em, http://www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica/artigosv2n3/29-Pos-Graduacao.pdf, Acesso em 25 de junho de 2011.

[2] MEC. Decreto do PNAES. Disponivel em http://sencebrasil.blogspot.com/2010/07/pnaes-institucionalizado.html, Acesso em 25 de junho de 2011.
[3] Anselmo de Abreu Nicosk (CEU-UFPR) explicou por e-mail essa situação. Está registrado no e-mail da SENCE, quem desejar ler a conversa basta escrever para sencebrasil@gmail.com.
[4] A qualquer momento as universidades podem redistribuir seu orçamento, mas para isso depende uma forte mobilização e normalmente uma situação extrema que justifique tal pressão e faça a administração recuar.
[5] Parágrafo retirado do texto de Luana Medeiros Weyl (SENCE/UnB) sobre o PNAES, disponível em http://amceu-unb.blogspot.com/search/label/PNAES, Acesso em 25 de junho de 2011.

Texto feito para o Caderno Bandeiras de Luta da SENCE 2011.

Postado por danilo (ufs)
sencenne coord nacional
sence coord financas

4 comentários:

Anônimo disse...

A luta pela criação da comissão permanente é super pertinente pois uma instância dessa natureza poderá fortalecer a transparência e o controle social na Política de Assistência Estudantil, não apenas discutindo a destinação dos recursos mas também o acompanhamento e prestação de contas.

Sugiro que esta comissão deva composta não apenas de representação docente e discente mas também dos técnicos-administrativos envolvidos diretamente com a implementação da Política de Assistência Estudantil nas universidades como assistentes sociais, psicólogos, pedagogos, dentre outros, profissionais que têm muito a contribuir para o fortalecimento da assistência estudantil, uma vez que vivenciam em seu cotidiano os entraves e dificuldades na implementação bem como as experiências positivas.

Joselya Claudino
Assistente Social
UFRPE

Anônimo disse...

A luta pela criação da comissão permanente é super pertinente pois uma instância dessa natureza poderá fortalecer a transparência e o controle social na Política de Assistência Estudantil, não apenas discutindo a destinação dos recursos mas também o acompanhamento e prestação de contas.

Sugiro que esta comissão deva composta não apenas de representação docente e discente mas também dos técnicos-administrativos envolvidos diretamente com a implementação da Política de Assistência Estudantil nas universidades como assistentes sociais, psicólogos, pedagogos, dentre outros, profissionais que têm muito a contribuir para o fortalecimento da assistência estudantil, uma vez que vivenciam em seu cotidiano os entraves e dificuldades na implementação bem como as experiências positivas.

Joselya Claudino
Assistente Social
UFRPE

Anônimo disse...

Concordo plenamente com isso, pois vejo que os técnicos não são ouvidos sobre a elaboração de propostas relacionadas a Assistencia estudantil.Rosangela

Daniel Santos disse...

Gostaria muito de conversar com vocês sobre o Pnaes, meu email é: dcsrj@hotmail.com

Estou junto com uma equipe abrindo uma empresa social com o unico objetivo de potencializar talentos e diminuir a evasão escolar no brasil.
Vai ser muito produtivo esta troca com vocês do SENCE.

Atenciosamente
Daniel Castro

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Top WordPress Themes